segunda-feira, 19 de abril de 2021

Chorão: Marginal Alado | Documentário é tudo que os fãs queriam


 Talvez o grande público não saiba, mas o Brasil é um dos países que melhor sabe fazer documentário no mundo. Nosso maior mestre foi o cineasta Eduardo Coutinho ( morto em 2013) e hoje temos muita gente boa e premiada na área como Maria Augusta Ramos, Paulo Henrique Fontenelle e Petra Costa só pra citar alguns.

Se o trabalho em si já é difícil o que dizer quando se trabalha com um personagem tão interessante e complexo como o Alexandre Magno Abrão ou o Chorão da banda Charlie Brown Jr ? O resultado é o documentário "Chorão: Marginal Alado" que conta a vida do fundador da banda santista até seus últimos dias.

Dirigido por Felipe Novaes lançado em 2019 , só agora chegou as plataformas digitais . "Marginal Alado" nos leva a mente do artista através da música marcante e de depoimentos de amigos , familiares e do próprio Chorão em imagens inéditas. A narrativa é a mesma do ótimo "Simonal - Ninguém Sabe o Duro que Dei" de 2009 dos diretores Cláudio Manoel, Micael Langer e Calvito Leal , a cada minuto mais perto do fim a alegria e a diversão vão dando lugar a pressão e angústia do personagem título.

O saldo final é a lembrança de um grande artista tão gigantesco e controverso quanto a sua arte. Cada geração teve seu ídolo, de Simonal, Tim Maia, Renato Russo ,Cazuza a Chico Science. E Chorão foi , indiscutivelmente , o ídolo brasileiro da geração do fim dos anos 90 e da década de 2000. Suas letras ficarão na memória do público assim como todos esses artistas que citei. E, talvez, a maior mensagem do longa passe despercebida pelo expectador, que a depressão é uma doença que assola uma parte da população mundial e não é tratada com a devida importância que deveria ser. 

terça-feira, 30 de junho de 2020

Cocktail | Filmes que envelheceram mal

Filmes que envelheceram mal, na minha humildade opinião, o primeiro deles é esse "pérola" dos anos 80 QUASE esquecida mesmo entre os fãs do astro Tom Cruise, "Cocktail" . Aqui, Cruise interpreta Brian Flanagan , um jovem ambicioso que, após deixar o exército , tenta um emprego em NY , mas inicialmente não consegue nada por não ser formado. Então começa a estudar e trabalhar, se tornando um bartender de sucesso graças às dicas dadas pelo colega de meia idade Doug Coughlin (Bryan Brown), um exímio e veterano profissional. Mas sua vida muda quando ele conhece a jovem Jordan Mooney (Elisabeth Shue).


"Cocktail" é o segundo filme da carreira de Tom Cruise em que os roteiros são quase idênticos . Duvida ? Vou resumir. Lembram de "Top Gun" (1986) ? Sinopse resumida : Tom Cruise é um piloto de avião. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo. "Cocktail" (1988) : Tom Cruise é um barman. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo. Eu poderia continuar com "A Cor do Dinheiro" de 1986, "Rain Man" de 1988, "Dias de Trovão" de 1990 etc, etc, etc,etc... mas vou parar por aqui.


Em "Cocktail" , por incrível que pareça, o problema não é o ator e sim o roteiro ( o ator aprendeu as acrobacias que a profissão exige em poucas semanas). O personagem de Cruise ri feito um idiota o tempo todo, embora seja um homem ambicioso, se comporta como um adolescente mimado durante toda a projeção , vide a cena da briga com a namorada por causa da tal "surpresa". Aliás, a única surpresa boa do filme é a personagem de Elizabeth Sue ( não por acaso, se mostra a personagem mais madura daquele universo). Bryan Brown faz o que pode com seu Doug Coughlin , o ator parece que sabia o quanto roteiro era ruim e interpreta Coughlin com todo o cinismo possível ditando as suas "leis". O diretor Roger Donaldson se redimiriam, apenas, nove anos depois com o subestimado " O Inferno de Dante" de 1997 estrelado por Pierce Brosnan e Linda Hamilton


Não é atoa que "Cocktail" ganhou dois Framboesa de Ouro , Pior Filme e Pior Roteiro , enquanto Tom Cruise foi indicado como pior ator e Roger Donaldson como Pior Diretor, além de pior filme e pior roteiroO filme foi incluído no "Guia Oficial do Framboesa de Ouro" como um dos 100 filmes mais agradáveis ​​já feitos, por isso está na categoria de tão ruim que é bom. Pior ainda foi saber que o filme foi baseado em um romance semi-autobiográfico escrito por Heywood Gould publicado em 1984 e, ele assina o roteiro do filme. Roger Ebert , que foi um dos maiores críticos do cinema americano, resumiu o filme nas últimas linhas de sua crítica na época : "Quanto mais você pensar sobre o que realmente acontece em Cocktail , mais você percebe o quão vazio e fabricado ele realmente é.". E assistindo hoje, em 2020, isso fica mais evidente.



O elenco do filme poderia ter sido bem diferente, Robin Williams quase estrelou o filme mas, as coisas não deram certo e, em 1990, ele foi o protagonista de "Um Conquistador em Apuros" do mesmo diretor de "Cocktail"  . Nomes como Tom Hanks , Keanu Reeves e Bill Murray ( sim!!! ) também foram considerados para o papel de Brian Flanagan que acabou ficando com o jovem astro Tom Cruise. A personagem Jordan Mooney foi oferecida para várias atrizes como Jennifer Grey ( de "Dirty Dancing – Ritmo Quente" 1987) , Jodie Foster e Demi Moore. A estrela adolescente da época, Molly Ringwald ( de "O Clube dos Cinco" 1985), acabou recusando o papel, depois foi a vez da atriz Heather Graham recusar por causa dos estudos, enfim, ofereceram para Elisabeth Shue que co-estrelou o filme.


Quatro anos depois, em 1992, o próprio Tom Cruise admitiu em entrevista que o filme "não era uma das melhores coisas" em sua carreira. No entanto, é o personagem de Bryan Brown que, ao se assumir um completo imbecil em uma das cenas finais, que resume toda a ideia superficial do filme. Sim, o veterano Doug Coughlin e suas "leis" praticamente legitimaram a crítica de Ebert , o que, convenhamos, não chega a ser uma surpresa. Hoje prefiro aquela paródia de "Cocktail" que Ben Stiller fez em "Missão Improvável" , é bem melhor...

sábado, 30 de maio de 2020

"Yesterday" | Sim, um mundo sem os Beatles seria um lugar infinitamente pior


Tá de saco cheio de negatividade ? Quer uma boa opção para relaxar nesse fim de semana pandêmico?
Essa comédia romântica é o que você precisa. Com direção de Danny Boyle (Quem Quer Ser um Milionário?, Trainspotting, Extermínio ) e roteiro de Richard Curtis ( Simplesmente Amor e Quatro Casamentos e um Funeral ) "Yesterday" nos leva à um uma viagem através das várias versões de um universo paralelo. Será que eles existem? "Yesterday" fala dos Beatles só que ... em um universo onde o mundo nunca conheceu o jovem quarteto de Liverpool, em que Abbey Road e Penny Lane são apenas os nomes de ruas na Inglaterra, Eleanor Rigby é apenas um nome em uma lápide de um cemitério qualquer em Liverpool ou que o submarino amarelo é apenas um brinquedo.

A sinopse, "Yesterday" conta a história do funcionário de um supermercado de uma pequena cidade inglesa, o cantor e compositor Jack Malik (Himesh Patel), um jovem músico mal-sucedido, que almeja o sucesso de suas músicas; tendo apenas o suporte de sua melhor amiga Ellie Appleton (Lily James) e alguns poucos amigos, ele se sente frustrado pela falta de reconhecimento como artista. Até que um dia ele é atropelado por um ônibus, após um enorme apagão (com proporções mundiais). Quando acorda, nota que todas as pessoas ao seu redor (e no resto do mundo) simplesmente não conhecem os Beatles e suas músicas – assustado com isso a princípio, ele logo tem a ideia de utilizar as músicas da banda mais famosa de todos os tempos como se fossem suas próprias composições.

O filme é sobre a importância da música da banda uma homenagem direta a seus integrantes e uma a crítica ácida à pasteurização da música atual através da personagem da impagável Kate McKinnon. Mas, não só isso, o filme fala de solidão, sonhos( objetivos), materialização deste e o preço que se paga ao atingi-lo e o nosso fio condutor é o personagem Jack Malik , vivido pelo talentoso Himesh Patel. Como não poderia deixar de ser, Boyle e Curtis desenvolvem o filme através da responsabilidade e das consequências de tanto poder em mãos. Tudo isso, com uma trilha sonora envolvente de dar inveja a qualquer projeto uma montagem magnífica e efeitos textuais ao longo da produção e, não se assuste ao se ver cantando algumas músicas durante a projeção. "Um mundo sem os Beatles seria um lugar infinitamente pior." é o que diz a certa altura uma das personagens do filme. Concordo com tudo.

"Yesterday" é um filme leve, criativo, despretensioso e emocionante até pra quem não é super fã dos Beatles, e se vc é fã, vai se deliciar com a enxurrada de referências ao longo da projeção, desde as mais tímidas nos diálogos até as mais gritantes. A participação de Ed Sheeran interpretando ele mesmo é hilária, Lily James é tão brilhante que, por vezes, quis mais cenas com ela e o protagonista Himesh Patel. E é aqui que o filme nos ganha, ao se apoiar no carisma de Patel e deixa-lo fazer o que sabe. Em tempos de ódio, fico com a frase mais emblemática do filme dita por um certo músico : "Quer uma boa vida? Não é complicado. Diga à garota que você ama, que você a ama. E diga a verdade para todo mundo sempre que puder."

E meu caro mestre, eu já disse e ela sabe !
😉😍😉😍


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

O BATE PAPO MAIS CARO DA HISTÓRIA


Fui criado no bairro Jardim Alvorada, e morava nos fundos da casa dos meus avós maternos ( meus pais ainda moram lá) , nunca tivemos tv a cabo em casa ( computador e internet então, era um sonho muito, mas muito distante... tipo o homem chegando ao sistema Alpha Centauri , e não, não é vitimismo) por dois motivos. O 1º é que a grana ( renda familiar ) mal dava para manter a casa , o 2º motivo é que, pelo que me lembro, esse serviço NÃO chegava na rua de casa. Chegava na rua de baixo, mas não na nossa rua. E sei lá o motivo disso.
Dito isso, só vi "F.R.I.E.N.D.S" quando passou no SBT com título de "AMIGOS" no final dos anos 90 e começo dos anos 2000, gostei da série e fiquei anos sem ver. Fui, finalmente, ver a série completa somente no final dos anos 2000 com o advento da maravilha do "torrent", achei o final sensacional e me lembro de dar muita risada e constatar que tinha ficado muito fã daqueles jovens que bebiam café no tal "Central Perk". Ainda empolgado, fui ver as duas temporadas da série derivada intitulada "Joey" cujo o personagem principal era o mais carismático daquela série que tinha aprendido a amar.
"Joey" foi um desastre total, não por causa do ator Matt LeBlanc e sim pelo roteiro que descaracterizou completamente um personagem que era o coração da série em que tinha sido apresentado. Depois disso, vi os esforços de cada membro do elenco original em suas empreitadas solo. Poucos conseguiram se manter com o mesmo sucesso que tinham antes, ainda que as reprises e os direitos da série "F.R.I.E.N.D.S" renda a cada um dos seis protagonistas NO MÍNIMO U$ 20 milhões por ano. Tudo isso, com o público praticamente se humilhando e pedindo por um mísero especial de natal ou qualquer outro especial ROTEIRIZADO que se seja minimamente descente.
Poucos encontros com o elenco original foram feitos desde que a série acabou em 2004, de novo, mesmo com o público pedindo de joelhos e, eis que, em 2020, com a eminente chegada do serviço de streaming da Warner através da HBO ( demorou já que a NETFLIX reina há anos) , o elenco original resolveu se reunir para um especial NÃO roteirizado que será exibido exclusivamente para essa plataforma. Sério ? E tem fã que cai nessa e aceita essa migalha ? Na minha época isso era áudio comentário de DVD e isso era obrigação em certas obras. Mesmo que isso seja apenas um termômetro para um eventual especial ROTEIRIZADO, esse especial me cheira, sim, a um termômetro da série ( e da fama dos atores do elenco original ) em um dos bate papos mais caros da história da tv. Os verdadeiros fãs da série, esses que assistem as reprises e que assinam serviços de tv a cabo e streaming, compram camisetas, canecas, copos, almofadas e demais acessórios mereciam mais.

sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Henry Sobel ( 1944 - 2019 )


O rabino Henry Sobel morreu hoje em Miami. Em 1975, Sobel se recusou a enterrar como suicida o preso político Vladimir Herzog, enfrentando a versão oficial das forças policiais que assassinaram o jornalista. Uma voz de coragem em tempos sombrios. Nesse país cada vez mais fascista, perdemos o humanista Henry Sobel. O rabino que se levantou contra a ditadura militar junto com Dom Paulo Evaristo Arns e Dom Hélder... Nomes que não devemos esquecer...


Gugu Liberato ( 1959 - 2019 )


Nasci nos anos 80 e cresci nos anos 90. A única diversão que tínhamos era a televisão e foi nela que eu ( e o Brasil inteiro ) conheceu o apresentador Gugu Liberato ( e seu rival Fausto Silva) . Domingo em família era isso, era uma troca de canal absurda para tentar acompanhar as duas emissoras. Não vou entrar no mérito se o programa do apresentador era ou não sensacionalista ( a entrevista com PCC fake, dentre outras pérolas ).

Pq, se falarmos sobre isso, teremos de falar de TODA a tv brasileira. Gugu cresceu em um Brasil cujos maiores apresentadores eram Flávio Cavalcanti , Hebe Camargo, Chacrinha e Silvio Santos, três dos maiores nomes da nossa televisão. Assistiu a guerra pela audiência entre Flávio e Chacrinha e através de Silvio, concluiu a sua formação na telinha.

Repúdio as piadas acerca de sua morte ( como tenho visto aqui ), hoje nos despedimos de duas pessoas. O Augusto, filho e pai de família, e do Gugu Liberato. O cara que marcou época na televisão brasileira e que, agora , se juntou aos grandes que ele cresceu assistindo ( Sílvio ainda está conosco) . É justo de dizer que, morrem com ele, o jornalismo ( que já andava mal) e boa parte da tv brazuca. Seu desejo em vida será realizado, terá os seus órgãos doados.

Vá em paz, Augusto !

Fique tranquilo, pq o Gugu já habita a história da nossa TV.

domingo, 27 de outubro de 2019

"Meu Nome é Dolemite" | Filme marca o reencontro de Eddie Murphy com o seu público


Sou fã do Eddie Murphy, sempre o considerei um grande ator mesmo tendo feito várias comédias durante a sua carreira. Mas, Murphy tinha se afundado em filmes ruins desde sua grande performance em Dreamgirls de 2006 que havia lhe rendido indicações em diversas premiações incluindo o Oscar. Como fã, era triste ver um grande ator como Eddie Murphy cada vez mais perdido em sua carreira apelando para projetos mal elaborados, assim como Nicolas Cage se perdeu. Mas, isso ficou no passado.


"MEU NOME É DOLEMITE ( EUA, 2019) " é a cinebiografia do humorista Rudy Ray Moore e seu alter-ego Dolemite grande astro da Blaxploitation , fenômeno do cinema americano dos anos 70 e padrinho do rap. Esse é o projeto que Murphy tentou levar as telas durante uma década e meia e, curiosamente, tem um paralelo de perseverança com a história de Rudy que alcançou a fama já na meia-idade e, vejam, estamos falando da América dos anos 70.


O personagem parece que foi feito para Eddie Murphy, seu descontentamento com a vida que leva em uma loja de disco e a confiança em seu talento que os outros insistem em menosprezar é nítido em cada olhar e gesto ao falar, reparem no brilho em seus olhos quando ele mergulha nas ruas de Los Angeles ao pesquisar a vida daqueles cidadãos que a cidade faz questão de esquecer, é dali que nasce seu alter-ego. Ou na cena em que Rudy , sentado em sua sala, finalmente cria uma de suas rimas, vemos um trabalho diferente de Murphy a cada instante.


É como se Murphy tivesse voltado a ter gosto pela atuação, a direção de Craig Brewer é precisa nesse sentido, Eddie Murphy não aparece exagerado como em "O Professor Aloprado 2 : A Família Klump ( EUA, 2002)" , Brewer dirige Eddie com o mesmo cuidado que teria ao segurar uma pedra preciosa. Aliás, não só ele, o elenco desse filme é incrível, de Mike Epps, Craig Robinson, Tituss Burgess, passando pela maravilhosa Da’Vine Joy Randolph como Lady Reed e a hilária ( e a mais debochada performance do ano) participação de Wesley Snipes como D’Urville Martin. Snipes está engraçadíssimo como o ator e diretor de Blaxploitation, a química dele e Murphy é surreal.


"MEU NOME É DOLEMITE ( EUA, 2019) " é um filme vivo e cheio de cores, o figurino é assinado pela fantástica Ruth E. Carter, a vencedora do Oscar desse ano por Pantera Negra ( EUA,2018). Tudo isso ao som de uma trilha sonora que retrata bem a época e conta com o swing do ator e cantor Craig Robinson ( A Ressaca, 2010) que merece todas as palmas. No final, Dolemite fala sobre esperança, confiança e perseverança essa é a mensagem dita a plenos pulmões ( e com muitos palavrões ) no último frame do filme ao seu público, o grande reencontro de Dolemite com seus sonhos e podemos dizer também, o reencontro de Eddie Murphy com o seu público... e como é bom reencontra-lo... e que volta triunfal, Eddie.

PS: A versão dublada conta com o trabalho de Mário Jorge Andrade , dublador oficial de Eddie Murphy desde os anos 80. Mário faz um grande trabalho nesse filme e vale a pena conferir.