segunda-feira, 1 de abril de 2019

Zuzu Angel e sua luta contra a ditadura militar


Zuleika Angel Jones, conhecida como Zuzu Angel, foi uma estilista brasileira, não conhecida apenas pelo seu trabalho, mas pela procura do seu filho, o militante Stuart Angel Jones que foi brutalmente torturado e assassinado em 1971 pelo governo e transformado em desaparecido político. 

Esse triste acontecimento levou Zuzu, a enfrentar as autoridades e ser reconhecida no exterior pela justiça e busca pelo corpo do filho, envolvendo os Estados Unidos e seu ex-marido americano, pai de Stuart.

No mesmo ano da morte de Stuart, Zuzu realizou um desfile protesto na embaixada do Brasil em Nova York, sua coleção era estampada com manchas vermelhas, pássaros engaiolados e um anjo ferido e amordaçado, símbolo do seu filho. Sua luta chegou aos jornais internacionais, suas coleções foram vendidas em lojas renomadas, e celebridades nacionais e de Hollywood foram envolvidas em sua causa. Em 1976 ela furou a segurança, durante a visita do secretário geral dos EUA, Henry Kissinger, para lhe entregar um dossiê sobre a morte de Stuart.

Sua busca terminou com sua morte em 1976, num acidente de carro declarado como acidental. 
Só 22 anos depois foi concluído que Zuzu foi assassinada. 

Uma semana antes ela havia entregado um bilhete a Chico Buarque de Holanda que dizia: "Se eu aparecer morta, por acidente ou outro meio, terá sido obra dos assassinos do meu amado filho".

O corpo de Stuart nunca pode ser velado e enterrado.

Zuzu denunciou o golpe de 64 inúmeras vezes como na cena abaixo: 




Zuzu Angel (2006)
Dir.: Sérgio Rezende
Post Anterior
Próximo Post

Sobre o Autor

O 1º TAKE é um espaço criado para dividir com os leitores assuntos interessantes sobre música,séries, cinema, teatro e arte em geral. Blog editado pelo louco Walther Jr. ,um espectador apaixonado por cinema,teatro,música,cerveja, vinho,pizza,pão na chapa,churrasco,lasanha,empada,pão de queijo... Ou seja,sou normal como todo mundo, não esperem nada profissional por aqui. Forte abraço e um viva a sétima arte.

0 comentários: