terça-feira, 27 de agosto de 2019

The Boys, outra grata surpresa de 2019


Embora The Boys seja totalmente diferente de Watchmen, a comparação entre as duas será inevitável. A nova série do serviço de streaming Amazon Prime é muito bem feita, não tem cara de série televisiva e, sim , de cinema. Não li a Hq original de Garth Ennis e Darick Robertson mas, o resultado na tela cumpre o seu propósito de entreter e prender a atenção dos espectadores , destaque para a química e atuações primorosas do elenco cujos os nomes mais famosos são Karl Urban, Elizabeth Shue e Harry Joel Osment, sim o garoto de " O Sexto Sentido" já é um homem. Ele faz uma pequena participação na série, mas muito importante, é bom vê-lo nas telas novamente. Elizabeth Shue, que saudade dessa atriz, Shue encarna a ganância das corporações através de sua misteriosa personagem, e ela entrega uma boa performance até o final.


Mérito do roteiro da série escrito por Eric Kripke que não deixa o projeto arrastado, são apenas oito episódios de 50 minutos de duração e o espectador não sente as horas passarem. Ela explora como seria se os super-heróis vivessem no nosso mundo real e atual e agissem como celebridades e influenciadores digitais e quais seriam os impactos disso. Sim, Watchmen tratou disso de forma séria e adulta, The Boys trata o tema de uma forma diferente usando a sátira , o sarcasmo e o politicamente incorreto com a mesma violência da obra de Alan Moore. Em suma, Watchmen é uma obra-prima inquestionável mas, The Boys se mostrou uma grata surpresa num ano em que assisti "Dark" , "Stranger Things 3" e "Cobra Kai 2". O destaque da série pra mim é o 5° episódio onde Kripke expõe as estranhas do radicalismo cristão norte-americano e seus falsos profetas. O diálogo entre Bruto e um dono de barraca de feira é como se o roteirista estivesse gritando a hipocrisia daquele evento em si.


O embate entre os personagens de Karl Urban ( Billy Bruto ou Billy Butcher) e o Antony Starr ( Capitão Pátria ou Homelander) respectivamente é outro destaque da série. Urban costuma compor bem seus personagens e, aqui, não economiza na emoção e na cara de mal, por vezes me lembrou o tom do Wolverine e, confesso, se a Marvel o escolhesse para interpretar o personagem ele se sairia muito bem. Seu Billy Bruto é cheio de camadas que vão ficando mais claras a medida que a série avança. O mesmo podemos dizer da grande surpresa do elenco, o ator Antony Starr , ele entendeu a complexidade do Capitão Pátria, seu personagem navega no limite entre o charme, sedução e a loucura. Caso perdesse a mão o projeto perderia muito sendo que seu personagem é o líder da equipe de super heróis nessa visão distorcida do Superman.


Os personagens da série são uma versão dos personagens da DC Comics, mas vez ou outra vc reconhece algo da Marvel na tela ( percebam como certa personagem tem todas as características da X-23 do filme Logan de 2017 ) , essa foi a sensação que tive, um mundo que mistura esses dois universos e as consequências dele mas, engana-se quem pensa que a série é só sobre isso. The Boys é uma sátira sensacional as grandes corporações, os meios de comunicação e entretenimento, aos radicais/ estelionatários da fé, ao capitalismo ( sim, tá lá ), a paixão pela violência ( mesmo que a explore bastante) e aos políticos. A série vai desconstruindo o papel dos "super-heróis" em nossa sociedade, expondo os bastidores inescrupulosos dos que estão no poder, e tecendo uma analogia à atual era das pós-verdades. Mesmo sendo uma crítica direta aos EUA ela vale para muitos países. No final, se vc gostou de Watchmen vai curtir essa série, agora se vc espera mais do mesmo do mundo dos super heróis , vai quebrar a cara.


PS: Essa é pra quem curte quadrinho nacional, o visual do Capitão Pátria me lembrou o do herói brazuca Capitão Sete.


A segunda temporada da série já foi confirmada pela Amazon, as gravações estão acontecendo mas, a série ainda não tem data oficial de estreia.
Post Anterior
Próximo Post

Sobre o Autor

O 1º TAKE é um espaço criado para dividir com os leitores assuntos interessantes sobre música,séries, cinema, teatro e arte em geral. Blog editado pelo louco Walther Jr. ,um espectador apaixonado por cinema,teatro,música,cerveja, vinho,pizza,pão na chapa,churrasco,lasanha,empada,pão de queijo... Ou seja,sou normal como todo mundo, não esperem nada profissional por aqui. Forte abraço e um viva a sétima arte.

0 comentários: