terça-feira, 30 de junho de 2020

Cocktail | Filmes que envelheceram mal

Filmes que envelheceram mal, na minha humildade opinião, o primeiro deles é esse "pérola" dos anos 80 QUASE esquecida mesmo entre os fãs do astro Tom Cruise, "Cocktail" . Aqui, Cruise interpreta Brian Flanagan , um jovem ambicioso que, após deixar o exército , tenta um emprego em NY , mas inicialmente não consegue nada por não ser formado. Então começa a estudar e trabalhar, se tornando um bartender de sucesso graças às dicas dadas pelo colega de meia idade Doug Coughlin (Bryan Brown), um exímio e veterano profissional. Mas sua vida muda quando ele conhece a jovem Jordan Mooney (Elisabeth Shue).


"Cocktail" é o segundo filme da carreira de Tom Cruise em que os roteiros são quase idênticos . Duvida ? Vou resumir. Lembram de "Top Gun" (1986) ? Sinopse resumida : Tom Cruise é um piloto de avião. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo. "Cocktail" (1988) : Tom Cruise é um barman. Ele é muito bom, mas um trauma o impede de ser o melhor. Ele se apaixona por uma mulher que o ajuda a superar, e no final ele alcança seu objetivo. Eu poderia continuar com "A Cor do Dinheiro" de 1986, "Rain Man" de 1988, "Dias de Trovão" de 1990 etc, etc, etc,etc... mas vou parar por aqui.


Em "Cocktail" , por incrível que pareça, o problema não é o ator e sim o roteiro ( o ator aprendeu as acrobacias que a profissão exige em poucas semanas). O personagem de Cruise ri feito um idiota o tempo todo, embora seja um homem ambicioso, se comporta como um adolescente mimado durante toda a projeção , vide a cena da briga com a namorada por causa da tal "surpresa". Aliás, a única surpresa boa do filme é a personagem de Elizabeth Sue ( não por acaso, se mostra a personagem mais madura daquele universo). Bryan Brown faz o que pode com seu Doug Coughlin , o ator parece que sabia o quanto roteiro era ruim e interpreta Coughlin com todo o cinismo possível ditando as suas "leis". O diretor Roger Donaldson se redimiriam, apenas, nove anos depois com o subestimado " O Inferno de Dante" de 1997 estrelado por Pierce Brosnan e Linda Hamilton


Não é atoa que "Cocktail" ganhou dois Framboesa de Ouro , Pior Filme e Pior Roteiro , enquanto Tom Cruise foi indicado como pior ator e Roger Donaldson como Pior Diretor, além de pior filme e pior roteiroO filme foi incluído no "Guia Oficial do Framboesa de Ouro" como um dos 100 filmes mais agradáveis ​​já feitos, por isso está na categoria de tão ruim que é bom. Pior ainda foi saber que o filme foi baseado em um romance semi-autobiográfico escrito por Heywood Gould publicado em 1984 e, ele assina o roteiro do filme. Roger Ebert , que foi um dos maiores críticos do cinema americano, resumiu o filme nas últimas linhas de sua crítica na época : "Quanto mais você pensar sobre o que realmente acontece em Cocktail , mais você percebe o quão vazio e fabricado ele realmente é.". E assistindo hoje, em 2020, isso fica mais evidente.



O elenco do filme poderia ter sido bem diferente, Robin Williams quase estrelou o filme mas, as coisas não deram certo e, em 1990, ele foi o protagonista de "Um Conquistador em Apuros" do mesmo diretor de "Cocktail"  . Nomes como Tom Hanks , Keanu Reeves e Bill Murray ( sim!!! ) também foram considerados para o papel de Brian Flanagan que acabou ficando com o jovem astro Tom Cruise. A personagem Jordan Mooney foi oferecida para várias atrizes como Jennifer Grey ( de "Dirty Dancing – Ritmo Quente" 1987) , Jodie Foster e Demi Moore. A estrela adolescente da época, Molly Ringwald ( de "O Clube dos Cinco" 1985), acabou recusando o papel, depois foi a vez da atriz Heather Graham recusar por causa dos estudos, enfim, ofereceram para Elisabeth Shue que co-estrelou o filme.


Quatro anos depois, em 1992, o próprio Tom Cruise admitiu em entrevista que o filme "não era uma das melhores coisas" em sua carreira. No entanto, é o personagem de Bryan Brown que, ao se assumir um completo imbecil em uma das cenas finais, que resume toda a ideia superficial do filme. Sim, o veterano Doug Coughlin e suas "leis" praticamente legitimaram a crítica de Ebert , o que, convenhamos, não chega a ser uma surpresa. Hoje prefiro aquela paródia de "Cocktail" que Ben Stiller fez em "Missão Improvável" , é bem melhor...